domingo, 24 de janeiro de 2016

Dronar ou fotografar 1

Posso dizer que fui dos primeiros interessados em fotografar com um modelo que me permitisse fazer imagens aéreas sem recorrer aos helicópteros que usei imensas vezes.



A minha necessidade de algo mais prático surgiu em 2011 quando precisei de fazer filmagens de aproximação de um empreendimento, em que os obstáculos da utilização de helis eram muitos, desde a passagem por corredores aéreos como as possibilidades de ter que repetir voos, tornaram o orçamento muito elevado, o que facilitava também ás próprias empresas de helis de dominarem o mercado , mesmo em sub-empreitadas.


Na altura consultei lojas de aeromedelismo á procura de algo como um heli em escala que me permitisse o manuseamento de uma camera, muito sem saber como...


Após algumas investigações , acabei por conhecer uma empresa de Torres Vedras que montava uns UAV com um software rudimentar, mas que supostamente os 10,000€ base serviriam para ajudar na investigação..por essa altura, existiriam alguns modelos nos EUA já com mais suporte e desenvolvimento.. o que me fez pensar se valeria o investimento, já que seria uma tecnologia que se mostrou mais tarde, que iria baixar os custos...

Nunca imaginei é que os drones passariam a ser brinquedos vendidos em supermercados, com isto toda a gente se achou piloto e fotografo aéreo.

No último ano a minha equipa de video, já tinha um drone, um DJI Phantom 2 com a Go -Pro, servia perfeitamente as necessidades de video, mas a Go-pro é uma camera excelente para video, mas deixa qualquer fotógrafo sem possibilidade de trabalhar ficheiros com pouca latitude e com objectivas olho de peixe que limita a sua utilização pelas distorções características.


Os drones com poder de sobre elevar uma SLR eram e continuam mais caros, embora tivessem baixado o preço, necessitam de mais formação por parte do piloto, e mais acessórios para que se consiga obter mais controlo da imagem.

Por fim, a DJI, empresa chinesa que tem nos drones o objectivo de popularizar , criou um intermédio de grande qualidade que é o Inspire 1 e mais recentemente o Inspire Pro 1.

Entre os dois a diferença encontra-se na camera , no primeiro, uma camera da Sony,  12 Mbpx com uma objectiva de 20 mm e abertura fixa de F:2,8  e o segundo com uma camera de objectivas removíveis e formato 4/3 . Esta camera deriva da Lumix G4 e partilha o mesmo sensor de 16 Mbpx . Ambas produzem ficheiros Raw(DNG) com a vantagem da segunda ter objectivas de diafragma ajustável.

A Inspire 1, partilha a camera com o Phantom 3 profissional, sendo que a principal vantagem será mesmo o modelo de drone, o modo de comando/operador, e o facto de subir as pernas para se obter a rotação de 360º da camera sem alterar o sentido do aparelho.

Depois de várias consultas, apercebi-me que o Dji Phantom 3 profissional pode ser uma excelente máquina fotográfica.

99% dos utilizadores , usam-no para video, e não aproveitam sequer 50% do que este modelo oferece em fotografia, daí , obter informações sobre a sua qualidade / performance em fotografia foi muito complicado e mesmo desesperante já que até as lojas das especialidades desconheciam os formatos de fotografia que o modelo fazia.


Finalmente encontrei um fotógrafo americano que utiliza o Phantom 3 Pro para fotografia de modo idêntico ao que pretendo e com resultados muito aceitáveis.

Optei para já pelo Phantom 3 profissional, estando em aberto a possibilidade de um upgrade para o Inspire Pro 1, quando este melhorar o formato e a qualidade de fotografia . já que a camera da Lumix, é de uma pobreza de qualidade que não justifica para já a diferença 3500€ .

Do meu contacto com o mundo dos profissionais de drones que conheci, cheguei á conclusão de que estes são, na sua  maioria pilotos de drone com aspiração a rentabilizar o hobbie e que fazem biscates aqui e ali , numa altura em que a fotografia aérea está tão banalizada que até para estes rentabilizar o investimento ou fazer face a um acidente  está difícil.

Todos os utilizadores de drone que conheci, vendem ou querem vender os serviços.
Todos criaram a ilusão de que seria bom negócio
Quase todos percebem de imagem e de sensibilidade fotográfica como qualquer cidadão comum, daí a falta de imagens de jeito e com qualidade, principalmente em fotografia.
Já se sabe, o video permite mais erro, e menos rigor, está-lhe intrínseca um movimento que agrada sempre.

https://youtu.be/FvqZn5GJKAc


Não me sai da memória, um video de Portugal visto do ar que tem circulado na net, as imagens são de um horror técnico e artístico, valem por serem vistas do ar, mas que na realidade não aproveitam o melhor que as nossas paisagens têm...são apenas imagens do ar , infelizmente aplaudidas , como é comum em Portugal, o amadorismo e a falta de qualidade são sempre recompensados.

Nos últimos dias, tenho desenvolvido e aperfeiçoado a arte de pilotar drone, escolho as melhores horas e os melhores enquadramentos, preocupo-me em estabilizar e enquadrar, não meramnete fotografar ou filmar.

Isso faz toda a diferença, não é á toa que seja no ar ou na terra, existem milhares e milhares de máquinas fotográficas, só alguns têm o dom de saber a linguagem da luz e compreender como transmitir a sua arte...









Sem comentários: