sábado, 8 de fevereiro de 2014

Test Drive SONY RX1

Fotografia com a Fujifilm XE1


Depois de ter ensaiado com a Sony A7, cuja a experiência , por razões diversas acabei por não publicar, calhou-me esta RX1 da conhecida marca.

Talvez por eu ser de uma geração que aprendeu fotografia com o filme de prata, sou muito pragmático com as cameras que aprecio ou que utilizo, prefiro as que me permitam o modo manual,  de ver os ajustes com um simples olhar,  isto é; no fundo quero que sejam práticas e que não me obriguem a perder tempo com coisas e extras que não sejam o essencial...sou da opinião que as fotografias são feitas pelas pessoas e não pelas cameras. 
Evidente que tenho a noção de que a tecnologia, mais do que nunca pode ajudar bastante, e que a mesma caminha para a qualidade e pouco peso... sim , este factor é muito importante , principalmente quando temos de carregar com equipamento como no meu caso, em que basta o que tenho de transportar no dia a dia,  e o que não posso dispensar como iluminações, cameras pesadas, lentes cheias de cristais xpto...tripés etc...

Não sou de grandes conversas sobre o ultimo grito da Nikon ou da Canon...se for para obter resultados concretos contem comigo...mas já não para gabar a ultima camera de 38 mpx cujas as imagens pouca utilidade terão senão encher os discos de imagens, e de tornar o nosso querido Macbook a trabalhar como um velho PC com windows 98....

Não será á toa que a Nikon, não investiu ainda numa maquina profissional acima dos 24 mpx, com a D3X de 2008, a D800 é semi profissional e satisfaz perfeitamente quem pretende ficheiros gigantes com os seus 38 mpx e a D4 na sua ultima versão mantém até hoje os 16 mpx, mais do que suficiente para os formatos publicáveis hoje em dia...


SONY RX1
35 mm F:2
F:4
1/80s
Luz natural

Neste aspecto da resolução a SONY RX1, tem o sensor da D601 da Nikon, ou melhor a D601 é que utiliza o sensor CMOS da SONY que equipa a RX1.

Sensor de grande qualidade, confirma -se na RX1, com grande dinâmica e comportamento excepcional em baixas luzes, para aproveitar a excelente objectiva fixa de 35mm F:2.
Esta conjunção permite aproveitamento de pouca luz para conseguir excelentes imagens como o exemplo em que fotografei o relógio com luz da janela a 2500 asa e a mesma imagem ampliada em pormenor.
Ampliação da imagem anterior
No inicio fiquei assustado com o facto da objectiva fixa de 35mm me viesse a criar constrangimentos, que me fariam lembrar os tempos idos do curso de fotografia em que tinha uma OM2 com a 50mm 1.8 , mas realmente acabei por aceitar e aproveitar o melhor que esta belíssima objectiva tem para dar.
Durante o Making Off, das
gravações do programa do 10º aniversário do
 Imagens de Marca


Embora limitada a objectiva 35 mm F: 2 é de excelente qualidade
e permite alguma criatividade

O corpo da XR1 , é de metal , embora seja leve , notasse que é consistente , os botões são práticos e com a possibilidade de personalizar quase todos. A objectiva , fixa, tem um anel dourado que distingue a qualidade da camera, e o anel de diafragma para melhor controlo da profundidade de campo.

Infelizmente, o selector de velocidade embora mecanico, só permite ver os ajustes através do display traseiro, ou melhor por defeito esta é a única forma de ver todas as informações da RX1, enquadramentos, informações, etc


O único dia de sol dos que estive com a camera,
Este factor limitativo da falta de visor ocular, terá sido a maior lacuna que encontrei nesta camera, principalmente, porque se posiciona num segmento de fotografo exigente em que o controlo das funções e mais necessário.



Pessoalmente, embora por vezes seja útil,  prefiro fotografar através do visor óptico, seja electrónico ou de tunel, telêmetro, reflex...


Não aprecio estar de braço esticado a enquadrar... embora seja opcional o visor optico da RX1 , não é prático porque obriga a nova aquisição, a transportar um pequeno objecto algures nos bolsos ou na mala, e essencialmente obriga a ocupar a sapata de flash..o que poderá ser desinteressante , quando queremos utilizar algum sistema de iluminação de flash...pois , faltando igualmente um socket PC para o cabo de flash, não oferece alternativa...e isto é importante considerando o seguemento ao qual destina,   pode pretender fotografar conforme o exemplo abaixo, em que foi utilizada iluminação de duas cabeças , e acionadas pelos comandos  na sapata de flash, se tivesse o visor na sapata , teria um problema.

Sony RX1
Cabeças Strobo-Lights
Bowens
Conversão do RAW no Lightroom



Reduzido á objectiva de 35 mm , pessoalmente, se pudesse escolher preferiria uma 24 mm, aproveitando a optima resolução do sensor da RX1 tem. A opção pela 24 mm permitiria imagens em locais mais apertados, estando menos limitado para reportagens cujo a necessidade de captar mais ambiente é fundamental.
Neste caso tinha espaço e o enquadramento foi perfeito para a minha intenção




Foi-me relatado que o video da Sony RX1 é excelente, acabei por não experimentar uma vez que dispunha de pouco tempo e não teria oportunidade de usufruir dessa funcionalidade que para o efeito fica registado que tem.

Iso 640 com F: 4 a 1/80 s
Luz natural


Aproveitei o facto de ter alguns trabalhos e consegui fazer algumas imagens para publicação com a camera em teste, enquanto com a D800 fazia as imagens com luzes de estúdio com a Sony , aproveitei a luz homogênea que vinha das amplas janelas de um dia cinza para fazer alguns detalhes com luz natural.






Miguel Laffan
ISO 800
F: 4
1/80s




Nesta anterior,  pedi ao Chef Miguel Laffan para testar a camera, ele estava curioso com os retratos na cozinha, com pouca luz, e uma pequena máquina, estas cameras pequenas dão sempre um ar curioso sobre os fotografados, principalmente de um profissional, que traz um estúdio completo e depois apresentasse com um pequeno brinquedo...claro que não fosse o elevado preço ..acho que ele tinha ido comprar uma RX1 tal a impressão com que ficou do que lhe mostrei.



Iso 100
F: 7,1
1/250s
Conversão a preto e Branco no lightroom 5.2





Em conclusão, a Sony RX1 é uma excelente camera camuflada, por um lado em preço e conceito, pois acha-se uma Leica...(sendo que tem qualidades que duvido que as Leica tenham)... por outro não é uma camera com carisma e funcionalidades que justifiquem o valor solicitado...pagar cerca de 2,900€ por uma camera sem objectivas removíveis não me parece razoável a não ser que se tenha essa valor para gastar sem prejuízo de se ter um outro sistema de cameras fotográficas mais completo.

A qualidade da RX1, não me deixou duvidas , adorei!  finalmente uma camera deste gênero colocou em causa a qualidade do ficheiro da FUJIFILM XE1,  tivesse a Sony optado por um sistema com objectivas e um valor mais acessível seria opção sem duvida... que a A7, dentro do mesmo gênero e com objectivas inter-mutáveis e visor ocular,  não me mostrou ser.



Iso 500
F:4
1/80s