segunda-feira, 30 de julho de 2012

Experiência Nokia 808 Pureview- Parte 3

Descer ao Terreiro do Paço entre as sombras e contrastes da baixa pombalina é um desafio.Luz cortante do Rossio entre as as sombras do Café Nicola e o brilho que surge do Hotel Internacional com o poderoso castelo de São Jorge cuja a encosta reflete imensa luz não são o melhor cenário a meio de uma tarde solarenga, por isso fui directo ao Terreiro do Paço, zona recentemente recuperada, e que enche de orgulho qualquer português.

Nesta zona, e sentado com uma imperial á frente numa das esplanadas do Terreiro , lá investiguei finalmente as funções de resolução do Nokia.

Intrigava-me tanta resolução e que o seu aproveitamento em jpeg não fosse a que eu considero uma mais valia, assim, passei ao modo Creative em que o ajuste de parâmetros é mais  exigente, entre os quais a forma de que a resolução é aproveitada.

A camera do Nokia nesta função deixa de fazer Zoom digital e só permite escolher o formato final , a ideia é no final e na edição o utilizador fazer o ajuste de zoom á medida do enquadramento que pretende , mas é pós produção...diga-se que nesta função, será pelo qual o Nokia mais me agradou, com resolução e qualidade mais do que suficiente para efectuar os reenquadramentos.
Neste modo, a latitude do ficheiro, considerando que ainda é um Jpeg é impressionante, como é o caso deste contraluz.




Também para reportagem de pessoas , o Nokia é discreto , não encontrei muitas distorções para o formato de grande angular.







É um telefone / camera muito prático, mesmo e permite uma leitura muito correcta de perspectivas.



Também ao nível de luzes mais fracas a reacção do Nokia mostrou-se excelente e  com grande qualidade e detalhe...impressionante face á pouca luz existente e rapidez com que se efectuou a imagem.






Passar de telefone a camera é extremamente rápido e pratico, com uma edição posterior é possivel tirar muito partido do ficheiro excepcional.